Projeto presta atendimento especializado a alunos da rede municipal

1045
Projeto pioneiro atenta para a saúde e a aprendizagem dos alunos

A Câmara de Vereadores de Teutônia aprovou na última semana o Projeto de Lei nº 097/2017 que institui o serviço de atendimento ao aluno, através do SEMEAR – Serviço Municipal de Apoio Escolar e Ação Restaurativa. Integrado as secretarias de Educação, Saúde e Assistência Social, o projeto já beneficiou aproximadamente 100 crianças em pouco mais de seis meses de atividades.

O serviço conta com orientadora educacional, professor e psicólogas, todos com formação em Facilitadores de Círculo de Construção de Paz e Ações Restaurativas. Uma psicopedagoga e uma fonoaudióloga também atuam no projeto, que visa acolher, prestar atendimento especializado e promover ações restaurativas aos alunos de até 18 anos e que frequentam a rede pública municipal de educação em Teutônia.
O SEMEAR é pioneiro no estado por integrar atendimento especializado e ação restaurativa em um único serviço. Além de crianças e jovens, pais e professores também recebem assessoria e orientação do serviço, além de participarem de práticas restaurativas, as quais visam a resolução de conflitos e/ou danos e o reestabelecimento de vínculos, contribuindo para modificar comportamentos e prevenir a violência.

Todos os profissionais que atuam no SEMEAR já trabalhavam nas escolas do município. Agora, o serviço é facilitado através da centralização e profissionalização dos atendimentos. “Todos ganham a partir do momento em que nos tornamos uma equipe. Aqui temos outras opiniões e ideias sobre como trabalhar nas escolas e como amparar alunos e famílias”, destacou a psicopedagoga Cristiane Loposzinski.
O secretário de Educação, Paulo Brust, destacou a importância do trabalho prestado pelo SEMEAR na rede municipal de educação. “Os profissionais do SEMEAR já trabalhavam nas nossas escolas e conhecem a realidade das nossas crianças e assim têm propriedade para atuar em parceria com as instituições de ensino para o bem dos alunos e da educação”, concluiu Brust.

Após o encaminhamento do aluno pelas escolas, os profissionais do SEMEAR conversam com os pais, avaliam quais dificuldades de aprendizagem e/ou emocional são apresentadas pelas crianças e aí começam o acompanhamento terapêutico com alunos, pais e escola. Todas essas medidas visam a atenção à saúde e à aprendizagem dos alunos. “Nós aplicaremos todo nosso conhecimento técnico no trabalho, mas temos o cuidado em tornar o atendimento o mais acolhedor e humano possível. Porque nossa missão enquanto SEMEAR é a valorização do aluno”, enfatizou a psicóloga do projeto, Daniele Hauschild Scheer.

Nas escolas, o projeto facilitou o encaminhamento dos alunos que necessitavam de assistência terapêutica e é visto com bons olhos por professores, orientadores educacionais e equipe diretiva. A diretora da Escola Guilherme Sommer, Fabiana Lampert, destacou os benefícios que o serviço pode trazer a longo prazo, inclusive no desenvolvimento da aprendizagem. “Foi plantada a semente, que aos poucos está crescendo e que, com certeza, fará a diferença na vida de muitos alunos, tanto crianças quanto adolescentes, que necessitam de atendimento psicoterapêutico, buscando o bem-estar de todos, melhorando a qualidade de vida deles, de suas famílias e das pessoas que os cercam”, atestou Fabiana. A equipe do SEMEAR também realiza vivência nas escolas periodicamente, auxiliando professores, orientadores e direção na identificação de alunos que precisam de atendimento terapêutico.

- publicidade -