Presidente da Famurs esclarece que prefeitos querem participar, mas não ter responsabilidade total

Presidente da Amvat quer reunião das 27 associações para evoluir no debate por conta das incertezas semanais com as bandeiras

371

O vídeo divulgado na noite desta terça-feira (21/07) pelo presidente da Federação das Associações de Municípios (Famurs) e prefeito de Taquari, Emanuel Hassen de Jesus – “Maneco”, repercutiu nas redes sociais, no meio empresarial e nos grupos das associações de municípios. No vídeo, Maneco diz que os prefeitos rejeitaram a proposta do governador de ter autonomia para definir restrições. Muitos não compreenderam esta posição, pois os prefeitos pleiteiam uma gestão individualizada.

Em entrevista à Rádio Popular na manhã desta quarta-feira (22/07), Maneco esclareceu que a proposta do governador e o que os prefeitos querem são coisas diferentes. “Uma coisa é nós [prefeitos] querermos participar e influenciar nas decisões, o que foi pedido e nos colocamos à disposição do governador. A outra é a proposta do governador que remetia para as associações regionais e para os prefeitos a responsabilidade total pela escolha da bandeira a ser implantada em cada região. No pior momento da da pandemia, os prefeitos e prefeitas não querem que o governador atire no nosso colo essa responsabilidade”, salienta.

Quanto às posições divergentes entre as associações e os municípios, o presidente da Famurs compreende que são 497 municípios, cada qual com sua realidade e que o debate é salutar. A intenção agora é que o assunto volte para o debate interno das associações para construir uma alternativa.

Em nota conjunta entre Famurs e governo do Estado fica explícita essa continuidade do debate. “Ficou acordado que os presidentes das associações regionais dos municípios e o presidente da Famurs, bem como o Gabinete de Crise do governo do Estado, irão aprofundar o debate internamente para que possam voltar a conversar nos próximos dias”, diz trecho da nota.

Presidente da Amvat pede reunião das 27 regiões do Estado

O presidente da Associação de Municípios do Vale do Taquari (Amvat) e prefeito de Imigrante, Celso Kaplan – “Lelo”, também emitiu vídeo na manhã desta quarta-feira. Em contato com os demais municípios da região, Kaplan sugere que “haja a construção de proposta em conjunto, que seja feita uma reunião, na próxima quinta-feira às 14h, com os prefeitos das 27 regiões para juntos enfrentar e dialogar, tendo muita comunicação e planejamento”.

Na visão de Kaplan, “as associações devem e precisam ter sua opinião reconhecida e junto ao governo do Estado ter a escolha do distanciamento controlado e também das questões das bandeiras”, alegando uma apreensão semanal com a incerteza da bandeira de cada região.

Celso Kaplan, presidente da Amvat, pede reunião das 27 associações nesta quinta-feira

“Não conheço essa cidadã”

Sobre uma manifestação atribuída à presidente da Federasul, Simone Leite, de que a “Famurs se acovardando e se eximindo da responsabilidade”, o presidente Maneco Hassen disse “não conheço quem é essa cidadã, mas é óbvio que tem uma postura completamente equivocada e demonstra desconhecimento total da vida dos municípios e das entidades que representam a municipalidade”.

Maneco acredita que fica confirmada a postura responsável de todos os prefeitos. “O que a Federasul tem é uma posição radicalizada e que defende a abertura total, de todo comércio e indústria. E que não quer nenhuma medida proteção, quer uma liberação total, uma volta à normalidade, que hoje infelizmente não é possível”, salienta.

O presidente da Famurs critica o posicionamento “tanto de quem quer fechar tudo quanto de quem quer abrir tudo. Ele não colabora neste momento. Precisamos continuar o bom combate à pandemia”.

Ouça a entrevista completa de Maneco Hassen

Nota conjunta entre Famurs e governo do Estado

Com o objetivo de aperfeiçoar o modelo de Distanciamento Controlado, tornando o sistema mais adequado às realidades de cada região e ampliando o compartilhamento da gestão entre Estado e associações regionais e municípios, o governo do Estado e a Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) estiveram reunidos por videoconferência nesta terça-feira (21/7).

O modelo de distanciamento controlado foi construído para contemplar as diferenças e peculiaridades regionais. No decorrer do processo, alguns ajustes foram realizados, entre eles a implementação, em 16 de junho, da instância recursal ao resultado das bandeiras de classificação de risco do modelo, atendendo a um pedido dos municípios.

Agora, para avançar no processo de aperfeiçoamento do Distanciamento Controlado, o governo e a Famurs fortaleceram na reunião desta terça-feira a intenção de aumentar o compartilhamento da gestão entre Estado e municípios nesse processo, que envolve os protocolos para 20 regiões e mais de 100 setores e segmentos da atividade econômica.

Por estarem na ponta e mais perto das suas comunidades, os prefeitos podem ampliar o engajamento no cumprimento das restrições previstas pelos protocolos do Distanciamento Controlado, além de contribuir para ajustá-los às realidades locais.

Dessa forma, ficou acordado que os presidentes das associações regionais dos municípios e o presidente da Famurs, bem como o Gabinete de Crise do governo do Estado, irão aprofundar o debate internamente para que possam voltar a conversar nos próximos dias.

Avançar neste acordo contribuirá com o objetivo central do modelo, de priorizar a vida e, ao mesmo tempo, evitar ao máximo a restrição às atividades econômicas e a perda de emprego e renda em nosso Estado.

Essa unidade de ação é fundamental para vencermos a crise. E a comunidade gaúcha deve estar unida, enfrentando este desafio com diálogo, paciência e responsabilidade.

- publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Escreva seu comentário!
Digite seu nome aqui