Nova reunião com autoridades de várias esferas analisa volta às aulas

710

Autoridades de todo Estado e de diferentes esferas, gestores estaduais, prefeitos municipais, representantes da Famurs, do Ministério Público, do Tribunal de Contas do Estado, entre outros, participam da reunião online nesta terça-feira (25/08) de manhã, para dar andamento ao debate sobre a proposta de retorno às aulas apresentada pelo Governo do Estado. Além do presidente da Famurs, Emanuel Hassen de Jesus, também participa o presidente da Amvat, Celso Kaplan, representando o Vale do Taquari.

Um dos co-coordenadores do estudo “Covid-19 e reabertura das escolas – Descrição da Evidência Científica – Impactos sobre a Pandemia, Sócio-Econômicos e Educacionais”, Wanderson Oliveira, que é enfermeiro doutor em epidemiologia HFA, ex-secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, participa do encontro apresentando dados do estudo realizado, trazendo evidências sobre como foi conduzido o retorno em outros países, além de dados sobre o comportamento da doença e incidência em crianças.

Após apresentar os dados internacionais, ele também citou alguns pontos em que participou no debate do retorno em São Paulo. Entende que os setores público e privado devam ter a oportunidade de retornar no mesmo momento, entretanto, em ambas terão escolas com mais e menos condições de se adaptar às regras e isso deverá ser observado. Enfatizou também que em todos os países a decisão final está sendo permitida aos pais, num amplo debate com o envolvimento da comunidade.

O presidente da Famurs questionou que percebeu nos gráficos do estudo que em todos os exemplos o retorno às aulas foi realizado quando já ocorria redução de casos. Wanderson confirmou a informação e disse que não recomendam o retorno no momento em que a curva esteja ascendente ou em platô. É sugerido que a situação esteja numa curva de redução de óbitos e casos. “Não se deve abrir escolas sem redução consistente e regular nos números por algumas semanas. E o retorno não deve ser imediato, mas de forma gradual e organizada”, afirmou.

Wanderson explicou que o estudo são evidências para auxiliar na decisão, mas todas as iniciativas podem ser inspiradas em modelos de sucesso, mas jamais copiadas sem adaptação à realidade. É preciso que cada local construa seu plano de flexibilização, definindo o que é necessário para a volta.

Estudo científico está sendo apresentado aos participantes

- publicidade -