Em Estrela, 90% das residências apresentam foco de Aedes aegypti

Em relação às ovitrampas, o último levantamento apontou que 100% das armadilhas apresentaram ovos do mosquito causador da dengue.

968
Crédito: Pexels

A secretária de Saúde de Estrela, Márcia Scherer,a coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Estrela, Carmen Hentschke, manifestam a preocupação com o aumento dos casos e dos focos de mosquitos na cidade. A coordenadora afirma que o aumento da proliferação de mosquitos, sobretudo na área urbana, é motivo de alerta, pois é a mais contaminada no município. Ambas afirmam que o empenho das pessoas no cuidado e na eliminação dos focos é a principal estratégia.

O ambiente doméstico é responsável por 90% dos criadouros de Aedes aegypti. As piscinas, caixa d’água com água não tratada, cultivo de plantas, como as bromélias, exigem atenção. Com as chuvas dos últimos meses, a verificação dos espaços deve ser frequente. Os últimos meses foram meses com muita chuva e Carmem salienta que, “O trabalho é minucioso e toda a semana a verificação de espaços, recipientes e áreas de acúmulo de água”.

Em relação às ovitrampas, o último levantamento apontou que 100% das armadilhas apresentaram ovos do mosquito causador da dengue. A cidade trabalha atualmente com sete agentes de endemias, porém,a secretária de saúde diz que é necessário verificar as suas próprias residências, como as pequenas plantas dentro de casa. É preciso denunciar, mas primeiramente fiscalizar as próprias casas.

Carmen alerta que “toda a nossa cidade está com infestação de mosquitos”. Isso reflete no número de casos. Estrela é hoje o município com mais casos de pessoas doentes, afirma a coordenadora. Ela ainda explica o alastramento da enfermidade em todo o estado e a urgência em combater o vetor da doença. “Se uma pessoa é picada durante o período de doença, o mosquito é contaminado e poderá contaminar as demais pessoas.”

Estrela vivencia o aumento rápido de casos. E desta maneira, as representantes da saúde orientam à população em relação aos primeiros sintomas. Em caso de dores de cabeça e atrás dos olhos,dor nas articulações e febre, procurar imediatamente os serviços de saúde e evitar a automedicação.

Aumentar a hidratação é imprescindível, bem como o uso de repelentes e inseticidas diariamente.

Confira a entrevista na íntegra

- publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Escreva seu comentário!
Digite seu nome aqui