Projeto social estrelense recebe doação de quimonos

Empresário e praticante de jiu-jítsu faz doação de uniformes para crianças praticantes da modalidade

466
Fábio Gregory, Julio Saldanha e Miguel Anka: “valorização, inclusive emocional”

O projeto social de jiu-jitsu da Prefeitura de Estrela, que proporciona aulas gratuitas da modalidade para mais de 150 crianças, foi agraciado, esta semana, com a doação de quimonos. A ação foi proporcionada por Fábio Augusto Gregory (32), um ex-integrante das aulas da modalidade no tempo de escola, que virou lutador e hoje, apesar de mais dedicado à carreira profissional como empresário, segue treinando e competindo quando pode. O estrelense doou dez quimonos para o projeto social desenvolvido pela Secretária Municipal de Esportes e Lazer (Smel), com aulas proporcionadas pelo professor e colega, Miguel Anka.

- publicidade -

Gregory é natural de Estrela, está radicado em Lajeado, formou-se como industriário químico e é sócio da Beauty Cosmetics MBA. Ainda assim, quando em viagem de negócios, não deixa de levar seu quimono na mala para treinar ou participar de alguma competição. “Por isso sei o quanto um quimono é importante. Valoriza muito o lado emocional dos atletas. É a chuteira do menino que joga futebol, é a luva do goleiro. Por isso fiz questão de ajudar, ainda mais em Estrela, onde fui muito feliz com o esporte e ele me ajudou muito”, explica. “Atualmente estou mais dedicado ao meu emprego profissional, pois o jiu-jítsu no Brasil infelizmente só pode ser encarado como profissão por poucos, mais no eixo RJ-SP, apesar de estar cada vez mais valorizado mundo afora. Mas sempre que posso me dedico a ele de alguma forma e busco contribuir para sua evolução. Sou muito grato ao que vivi com o esporte e ao que ele me proporcionou. Tenho que, sempre que puder, colaborar”, destaca o faixa-preta, 12 anos no esporte.

A forma encontrada por Fábio para ajudar, neste momento, foi a doação dos quimonos. Para Miguel Anka, professor nos três núcleos do projeto, será de grande valia. “Além da questão emocional, há a questão técnica. Um quimono ajuda para o ensinamento dos golpes, aplicação. E como ele será rotativo, passará de núcleo a núcleo, fará com que as crianças e jovens agraciadas pelo presente se multipliquem”, diz. “Azul, lindos, não sujarão tão facilmente, e de um tecido super resistente, como é preciso, para resistir aos agarrões”, avaliou. O Secretário da Smel, Julio Saldanha Pereira, que foi professor de sala de aula, tanto de Anka como Gregory, completou. “Isso é um exemplo de cidadania, e mostra o quanto investir nestes projetos é recompensador, tem sua grande contribuição para o bem-estar social.”

Saiba Mais

As aulas de jiu-jitsu da Smel em Estrela funcionam em três núcleos, dedicado a alunos dos 9 aos 12 anos, sem custo algum. Na Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Odilo Afonso Thomé, no Bairro Imigrantes (nas segundas pela manhã, das 8h às 11h); no Centro Municipal de Atendimento Integrado (Cemai) Moinhos (nas quartas-feiras, 8h às 11h; das 14 às 17h); e na Emef Ruth Markus Huber, no Loteamento IV, no Bairro Boa União (quintas e sextas-feiras, das 8h às 11h). Informações pelo 3981-1046, e na Smel.

- publicidade -