Delegação argentina conhece modelo das Cooperativas Escolares de Estrela

Estada retribui a que estrelenses realizaram ao país vizinho em junho. Visitantes participaram de assembleia geral da Coopstar

192
Sócios da Coopstar aprovaram contas, relatórios de atividades e reconduziram atual presidente ao cargo / Divulgação

Uma delegação da Argentina esteve retribuindo, na última semana, a visita de representantes das Cooperativas Escolares do Vale do Taquari, incluindo de Estrela, a Sunchales, Província de Santa Fé, realizada em junho. Na ocasião, a delegação composta também por coordenadoras do programa na Secretaria Municipal de Educação (Smed) e nas escolas fez o intercâmbio na cidade conhecida como a capital do cooperativismo no país vizinho. Na atual visita, os estrangeiros estão descobrindo um pouco da rotina dos estudantes locais e os modelos das cooperativas escolares de Estrela e região.

A viagem da delegação estrelense à Argentina, que contou também com representantes de Teutônia e Carlos Barbosa, foi proporcionada pela Sicredi Ouro Branco e Sicredi Serrana, desenvolvedoras do programa no RS. O intercâmbio contou com visitas a instituições como o Grupo Sancor Seguros, uma das maiores seguradoras do país e incentivadora do programa local; e a Casa Cooperativa de Sunchales, oficial palco dos periódicos encontros das entidades com o devido propósito. Os educadores também conheceram as escolas locais, onde a iniciativa é considerada uma política educacional e são desenvolvidos projetos como o de intercâmbio de jovens cooperativistas.

Agora, a delegação argentina conta com 37 membros, entre eles estudantes de Sunchales. Julieta Camino é a chefe da delegação. “Estamos muito felizes e satisfeitos. Vocês tomaram o nosso modelo como base muito bem. Tanto que estamos percebendo como lá, hoje, já estamos realizando tudo de maneira tão automática que precisamos sim pegar um pouco da essência do que está sendo desenvolvido aqui, mesmo que vocês ainda precisem evoluir um pouco na teoria e na prática, apesar de estarem no caminho certo”, avalia.

Desenvolvido há mais de três anos em Estrela, numa parceria da Sicredi Ouro Branco e a Smed, o programa oportunizou a formação de diversos grupos em torno do cooperativismo estudantil. Atualmente são oito as cooperativas solidificadas. Cinco grupos são remanescentes da primeira temporada. São elas as unidades das Escolas de Ensino Fundamental (Emefs) Pedro Jorge Schmidt (Coopej), Cônego Sereno Hugo Wolkmer (Coopstar) e Arnaldo José Diel (Cooperdiel); e as privadas dos colégios Martin Luther (Coopeluther) e Santo Antônio (CSAcooper). Passaram também a participar em 2018 os alunos das escolas municipais Pinheiros (Cooperpin), Leo Joas (Cooperleo) e José Bonifácio (Cooperfacio).

Nesta sexta-feira pela manhã, ainda em Teutônia, os argentinos participaram de encontro que contou com representantes da cooperativa estrelense Cooperfacio. À tarde, entre outros compromissos, os argentinos vieram a Estrela conhecer a Emef Cônego Sereno Hugo Wolkmer. Na escola municipal do Bairro Auxiliadora participaram da Assembleia Ordinária da Coopstar, que apresentou aos seus sócios o relatório de atividades e realizações, prestação de contas, todos aprovados, e elegeu a diretoria para o biênio 2029/20. Funcionários da Sicredi; o titular da Smed, Marcelo Mallmann; o presidente da Câmara Municipal, Felipe Schoosler; e o vereador Chicó Lehnen acompanham o evento. O vereador de Colinas, César Ahlert, que pretende levar o projeto a seu município, também prestigiou o ato. “Estão de parabéns. Isso aqui é investir no nosso futuro de nossa nação”, comentou. O presidente da Coopstar, Felipe Augusto Pinheiro (13), foi reconduzido ao cargo. “Estou muito feliz. Aprendi muito neste um ano, seja como filho, como amigo ou mesmo cidadão cooperado. Espero poder ajudar a evoluirmos ainda mais em nossas ações e todos os sentidos”, resumiu. Outras cooperativas do município também irão realizar suas assembleias nos próximos dias.

Saiba Mais

O programa Cooperativas Escolares, fomentado pela Sicredi em todo o Sul do Brasil, visa a criação de associações de estudantes. Estas têm finalidade educativa, nas quais alunos são incentivados a desenvolver atividades econômicas, sociais e culturais em benefício dos jovens associados. Também trabalham a formação de futuros líderes, gestores, empreendedores e cidadãos. Através destas organizações os estudantes vivenciam princípios do cooperativismo, participam do desenvolvimento de projetos, oficinas e trabalham disciplinas como gestão, educação financeira, cooperativismo e outras. A adesão das escolas é voluntária e as cooperativas são formadas somente por alunos. Estes têm suporte pedagógico para a implantação e desenvolvimento do programa e um professor orientador.

No Estado são hoje mais de 120 cooperativas escolares. Em Estrela, os alunos das oito cooperativas participam diretamente das formações mensais do programa, mas as equipes escolares realizam ao menos um encontro semanal de quatro horas no contraturno escolar, quando desenvolvem os trabalhos mais pessoais e próprios a cada cooperativa, algumas no desenvolvimento e aperfeiçoamento dos objetos de aprendizagem e operações realizadas pelos gestores anteriores.