Após piora nos números, Garibaldi endurece medidas e prevê até multas para controle da pandemia

406
Prefeito Antonio Cettolin (esq. alto) anunciou medidas mais drásticas após aumento de casos

A Prefeitura de Garibaldi e o comitê municipal decidiram ampliar as restrições na cidade em função do aumento significativo do número de casos do novo Coronavírus. A partir desta quinta-feira (23/07), além do decreto estadual acolhido na íntegra, haverá medidas mais duras, inclusive com aplicação de multas a pessoas físicas e jurídicas que descumprirem o decreto municipal.

O anúncio foi feito pelo prefeito de Garibaldi, Antonio Cettolin, em coletiva de imprensa por videoconferência na tarde desta quarta-feira (22/07). Ele apresentou o avanço dos casos na cidade (veja abaixo) e também a lotação dos leitos. Os 10 leitos de UTI do Hospital de Garibaldi estão ocupados (5 da cidade e mais 5 de fora), além de dois garibaldenses internados em hospitais particulares. “São medidas para deter o avanço do coronavírus”, explica Cettolin.

“Todo mundo quer trabalhar e não podemos aceitar que alguns desrespeitem e gerem uma situação de termos uma bandeira ainda mais restritiva. Entendemos que a população, que nos ajuda desde o início, está cansada, mas a situação é grave e temos que cuidar para não chegar na bandeira preta e fechar tudo”, recomenda.

Algumas das principais medidas são as seguintes:

  • Comércio não essencial – pode funcionar por compra e leve (take away) ou com barreira na porta;
  • Comércio essencial – cliente deve entrar com máscara; se dono deixar entrar sem máscara, cliente e dono serão penalizados;
  • Espaços públicos – ficarão fechados por 15 dias os banheiros públicos, praças e parques, ginásio municipal, Ermida, Praça Martini, área interna da Estação Férrea;
  • Aglomerações – vedada a aglomeração de 3 ou mais pessoas em vias, locais ou acessos públicos;
  • Testagem – Município vai testar pessoas que têm contato com a sociedade, com o público, como atendentes de mercados, postos de combustíveis e farmácias (essenciais);
  • Testagem – Nesta quinta-feira (23/07), serão aplicados 100 testes gratuitos para os moradores que passarem pela Praça Loureiro da Silva;
  • Desinfecção – No domingo (26/07), em parceria com os produtores, desinfecção de 100% do perímetro urbano;
  • Recomendação de Proteção – uso de máscara, álcool em gel, distanciamento social e verificação de temperatura nos acessos.

Quem não obedecer as determinações do decreto, aglomerar, não usar máscara, etc, estará sujeito a multas. Três fiscais municipais estarão atuando na fiscalização do cumprimentos das determinações, em parceria com Brigada Militar e Polícia Civil. As multas previstas são:

  • Pessoas físicas – R$ 100,00 para qualquer ato de descumprimento;
  • Pessoas jurídicas – primeira vez será advertência; pela segunda vez, multa de R$ 465,00; terceira vez, multa de R$ 930,00 e fechamento por 7 dias; quarta vez, multa de R$ 2.325,00 e cassação do alvará.

“Queremos a ajuda da comunidade para salvar vidas. Pedimos a todos comerciantes para trabalharem com transparência, não ficar um enganando um ao outro. Se a situação melhorar, podemos rever o prazo. Se não, podemos manter por um período maior”, sustenta Cettolin.

Situação se agravou

As medidas mais rígidas serão adotadas em Garibaldi porque, de acordo com o prefeito, os números pioraram nos últimos 10 dias. “O contágio está muito grande, presente em Garibaldi e diria na região”, assinala Antonio Cettolin. Veja a situação:

  • Domingo (12/07) – 1 paciente hospitalizado e 10 casos em casa se recuperando
  • Domingo (19/07) – 4 garibaldenses na UTI, 5 hospitalizados e 40 monitorados em casa
  • Quarta (22/07) – 7 garibaldenses na UTI e 43 monitorados em casa

Além disso, nesta terça-feira (21/07) houve um recorde de pessoas que procuraram o Centro de Triagem do PAM com sintomas suspeitos. Foram 52 pessoas analisadas com suspeita, das quais 10 tiveram coleta de amostra para análise. Antes, o local atendia de 10 a no máximo 20 casos diários.

Tratamento precoce

O prefeito de Garibaldi também solicitou que as pessoas, ao sentirem sintomas diferentes e compatíveis com coronavírus, que procurem de imediato o PAM ou o hospital, para avaliação das equipes de saúde. “A região [Amesne] também oferece o tratamento precoce, está à disposição, claro sob receita médica”, acrescenta.

Polêmica Famurs, associações regionais e governador

Como ex-presidente da Famurs, Antonio Cettolin foi interrogado pelo Grupo Popular de Comunicação de que forma avaliava essa polêmica ou desencontro de estratégias entre Famurs, governo do Estado e as associações regionais de municípios. “A Amesne pediu para termos mais autonomia para trabalhar, se proteger e tomar medidas. Que o Estado, ao definir a bandeira da região, dê aos municípios essa autonomia e defina conforme sua situação. Seria a oportunidade dos municípios fazerem as correções particulares. Estranhei um pouco a posição da Famurs, porque os prefeitos pediram essa flexibilidade, o governador abriu e aí teve essa posição divergente”, apontou.

Ao falar de Garibaldi, Cettolin garante que se houver a liberdade dos municípios decidirem, “temos uma situação traçada com o comitê e com os sistemas produtivos”.

- publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Escreva seu comentário!
Digite seu nome aqui