Público superior a 1,5 mil pessoas prestigia primeira noite do 14º Fórum Tecnológico do Leite de Teutônia – Edição Online

210

Um público de mais de 1,5 mil pessoas de diversos lugares do País prestigiou a primeira noite do 14º Fórum Tecnológico do Leite de Teutônia que, em 2020, por causa da pandemia de coronavírus, está tendo edição online. Assim, os participantes puderam acompanhar as duas palestras inaugurais – ministradas pelos agricultores Fabrício Balerini de Vespasiano Corrêa e Elio Post de Fazenda Vilanova – no canal de Youtube do Colégio Teutônia. Com o tema “Inovação”, o evento segue na quarta e na quinta-feira (18 e 19/11), com mais seis casos de sucesso na atividade leiteira, com cada propriedade apresentando sua experiência. 

Com o tema “Sistemas de produção de forragem”, a primeira noite foi dividida em duas etapas. Na primeira, Balerini destacou a produção de forragem em áreas distantes da propriedade, salientando a importância da rotação de culturas – reveza trigo e milho. Em sua fala, reforçou a importância do manejo – que começa na dessecação, passando pela  adubação do solo, pelo plantio e pelas aplicações de agroquímicos até chegar a colheita e ao transporte -, como fundamental para redução de custos. “É na busca da eficiência, com uma silagem de maior qualidade nutricional, que chega-se a um resultado satisfatório”, avalia. 

Ainda que tenha apresentado um caso diferente do de Balerini – o tema era pastagens de ciclo longo em áreas de lavoura -, a fala de Post foi ao encontro da do primeiro painelista. Trabalhando com áreas irrigadas, costuma consorciar tífton e azevém apostando na produção de leite a base de pasto como forma de reduzir não apenas os custos, mas também a penosidade do trabalho. “De 2011 para cá, quando passamos a investir mais em tecnologia, tivemos aumento no volume de leite produzido e também na qualidade do produto”, pondera o bovinocultor, que conta com 26 vacas em lactação, que produzem 550 litros de leite ao dia. 

Mediador das atividades do dia, o representante da cooperativa Dália Fernando Araújo disse “não haver receita de bolo na hora de produzir leite”, o que permite explorar diferentes recursos e variados sistemas de produção e de tecnologias de acordo com a realidade cada propriedade. “Não há um único e definitivo modo, sendo o ‘pulo do gato’ a produção de forragem de qualidade e com boa quantidade o ano inteiro”, reforçou. “Nesse sentido, há que se reconhecer o empenho dos bovinocultores de leite de todo o Estado, na busca incessante pela qualificação de sua produção”, complementou o presidente da Emater/RS, Geraldo Sandri. 

O evento nesta quarta-feira (18/11) com o tema “Sistemas de armazenagem de milho na propriedade”, com destaque para a silagem de milho de planta inteira, silagem de grão úmido e secagem e armazenagem de milho grão. Já na quinta-feira (19/11) o destaque será os “Sistemas de ordenha”, com assuntos como ordenha canalizada em sistema de saída rápida, sistema de ordenha carrossel e ordenha robotizada. Participarão nas duas noites produtores de Paverama, Vespasiano Corrêa, Dois Lajeados e Estrela. A moderação estará a cargo de representantes do Colégio Teutônia, da cooperativa Languiru e da Emater/RS-Ascar. 

Participaram da primeira noite, além de Sandri, o presidente da cooperativa Languiru, Dirceu Bayer, da cooperativa Dalia Carlos Alberto Freitas e da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag/RS) Carlos Joel da Silva, além do diretor do Colégio Teutônia Jonas Rückert, todos parceiros do evento. A Emater/RS-Ascar, uma das promotoras, atua de forma vinculada a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) do Governo do Estado. Todas as atividades podem ser acompanhadas no canal do Youtube do Colégio Teutônia a partir das 20h, sem necessidade de inscrições. Outras informações podem ser obtidas pelo e-mail [email protected]

Crédito da foto: divulgação
- publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Escreva seu comentário!
Digite seu nome aqui