CRAM de Lajeado promove debate sobre prevenção e acolhimento de mulheres

- Publicidade -spot_imgspot_img

O Centro de Referência e Atendimento à Mulher (CRAM) de Lajeado promoveu nesta sexta-feira (5/8) uma roda de conversa com autoridades ligadas ao centro para celebrar os 16 anos da Lei Maria da Penha, sancionada no dia 7 de agosto de 2006. A ação faz parte do “Agosto Lilás”, campanha instituída por lei para o enfrentamento à violência doméstica contra a mulher.

A reunião iniciou com o relato de uma usuária do CRAM que sofreu abuso psicológico em um relacionamento e foi acolhida pelo Centro. Ela relatou sobre as formas de recomeço e quanto cada órgão foi necessário para iniciar uma nova vida longe do agressor.

Estiveram presentes a Patrulha Maria da Penha, da Brigada Militar, da delegada da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM), Márcia Bernini, representes do grupo de orientação e inclusão da Secretaria de Educação para debater o projeto de prevenção que será realizado nas escolas do município a partir de 2023.

Conforme a coordenadora do CRAM de Lajeado, Ana Lazzaron Pereira, o projeto envolverá pais e alunos das escolas municipais com o intuito de prevenir e conscientiza sobre como evitar situações de violência e agressividade. “Sabemos que a educação não agressiva precisa iniciar ainda na infância, por isso queremos trabalhar essa comunicação com alunos e pais. Diminuir casos de violência, principalmente contra a mulher, é um processo que leva tempo. Por isso, vamos começar a agir com este público. Não podemos naturalizar a violência”, explica.

O evento contou ainda com música ao vivo e personalização de um mural da sala de convivência do Centro com palavras de empoderamento feminino, feito pela artista Ivana Lazzaron Pereira, da Ivs Arte Escrita.

A coordenadora comemora a coragem e a evolução das mulheres que estão falando sobre o assunto de violência doméstica, seja ela psicológica ou física. “Com mais informação, as mulheres buscam o acolhimento correto e recebem o apoio das pessoas certas”, avalia.

- Publicidade -

MAIS

- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Escreva seu comentário!
Digite seu nome aqui