Exportação de 27 toneladas de aves para a China marca retomada histórica

1326
Habilitação coloca o Frigorífico de Aves em outro patamar de competitividade e excelência na qualidade dos produtos / Crédito: Languiru - Divulgação

A terça-feira (4/6) marcou um importante passo na retomada do Frigorífico de Aves da Languiru, com sede em Westfália. Após longa e suada habilitação, que veio em março desde ano, 27 toneladas de aves começaram a ser exportadas para a China. Para o presidente liquidante da Languiru, Paulo Roberto Birck, a data é histórica. “Foram muitos desafios, porque o mercado chinês é difícil. Para a Languiru é um momento importante, mostra essa retomada”, disse.

Birck explica que pé de frango, ponta de asa e meio de asa são os principais cortes que o mercado chines busca e que, para o brasileiro, não são tão valorizados. Aqui, o foco é no peito e filé. “Hoje, para um pé de galinha, que aqui vale seiscentos dólares, o mercado chines paga três mil dólares a tonelada, pelo mesmo produto.” O presidente liquidante cita a possibilidade de ampliar o mix de produtos com um bom valor agregado – é o que a Languiru procura.

Entre outras habilitações, a cooperativa fez sua primeira exportação para o Chile em 23 de maio. Foram 49.660 quilos de pés de frango. Já a habilitação para as Filipinas foi obtida em 7 de maio. O abatedouro também obteve, recentemente, habilitação para exportar para África do Sul e Canadá, além de já exportar para cerca de 50 países com alto nível de exigências. Entre os produtos em destaque estão peito de frango desossado, dorso, pé, asa inteira e coxa americana.

Segundo turno de abates

Ele ressaltou também a parceria com a JBS. Na segunda-feira que vem (10/6) começa o segundo turno do abate de aves. As 240 contratações de pessoal iniciaram na semana passada, e a nova equipe passa por treinamentos. “A escala vai aumentando. Começa dia 10 e gradativamente sobe o número de animais abatidos.” Até o fim do mês, serão duzentos postos de trabalho.

Birck explica que o segundo turno não iniciará com 75 mil aves, uma vez que a mão de obra precisa de treino para fazer os cortes com qualidade. Quando alcançar esse número, serão 150 mil abates ao dia.

Com isso, o Frigorífico de Westfália chega à plena capacidade de abate, com 150 mil aves ao dia. “Estamos orgulhosos de participar e fazer parte desse momento de retomada do protagonismo da Languiru, que nunca deveria ter sido perdido”, reforçou.

Novos ventos

Para Birck, a união dos associados e da comunidade na busca por soluções foi o que tornou possível estas conquistas. E a cooperativa trabalha firme para, em breve, trazer novidades importantes também na área da suinocultura. “Hoje já estamos vislumbrando outro cenário, com a parceria da JBS/Seara, que eu acredito que a comunidade vá receber com bons olhos”, anuncia.

- publicidade -